A velha amarrada ao burro

Publicada em 28/06/2017 às 08:35

 

Por Humberto Pinho da Silva – Porto/Portugal

Acontecia, outrora, aos médicos da província, cada uma, que nem ao mais levado mafarrico lembrava.

Fernando Namora, narra, com a graça que lhe era peculiar, as suas aventuras, em: “Retalhos da Vida de um Médico”.

E muitas pitorescas e engraçadas historietas, se contam, desses humildes “João Semanas”: – verdadeiros heróis, que alcançavam “ milagres” com os escassos recursos que dispunham.

Ora, havia nesse tempo, jovem médico, com consultório montado no centro da cidade de Bragança, considerado e respeitado, por todos os brigantinos.

Suas curas, espampanantes, espalharam-se por todo o distrito, desde Bragança até a terras de Miranda, porque não havia maleita, que não sarasse, nem mal que não passasse.

Tinha o jovem doutor, tia, velha, teimosa e rabugenta, que sofria de graves males, que seriamente a atormentavam. Mas – apesar dos rogos, – recusava, peremptoriamente, ir ao médico.

Os familiares andavam deveras preocupadíssimos. Como demove-la da contumácia?

À Vila não queria ir. Também o médico, que ai clinicava, estava tão ancilosado, que mal conseguia diagnosticar a mais leve enfermidade.

Os desconfiados aldeões, preferiam as antigas mezinhas das avós, ou a arte mágica de bruxas da região. – Por sinal, poucas e ignorantes, e tão néscias como os rústicos campesino, – do que ir à Vila.

O que fazer, então?, já que a velhinha piorava a olhos vistos?

Após muito matutarem e altercarem, entre si, os parentes da velha casmurra, assentaram encetar a árdua e perigosa viagem, por vales e montes e caminhos escabrosos, até Bragança. Terra grande, onde havia hospital e vivia o sobrinho (?) da enferma, que granjeara reputação de “sapiente”.

Mas como, se a velha não queria?!…

Nessa recuado tempo, não havia quem tivesse automóvel – nem na aldeia, nem, talvez, no concelho. – O remédio era transportá-la de burro – animal pachorrento e amigo de fazer vontades.

Mas como convencer a velha?; se não queria sair de casa?

Acordaram, por unanimidade, chamar dois valentões, que agarraram e amarraram a mulher, com grossas cordas, à albarda, coberta por velha e surrada liteira.

Bem segura e bem atada, lá foi a nossa velha, bracejando e chorando, até à Praça da Sé, e da Praça até, à porta do consultório do famoso médico, onde arreataram o jerico.

Estava o clínico, de estetoscópio na mão, a auscultar conscientemente o peito de respeitosa idosa, quando escuta grande alarido, que subia da rua. Algazarra infernal, chinfrinado endiabrado, à mistura de muitos guinchos, berros e vozearia.

“O que seria?!” – Pensou, atónito, o jovem médico.

Esclareceu-lhe a curiosidade a solicita empregada, que entrou afogueada no consultório, explodindo num misto de surpresa e indignação:

– “Senhor doutor: Está uma mulher, a gritar e a estrebuchar, amarrada a um burrico! …e muita gente à volta! … Dizem que é tia do Senhor doutor!!!…”

– “Pois vá dizer: que não sei quem é. E mande-os embora… Não atendo ninguém que venha amarrado a um burro!…”
Não houve outro remédio, apesar dos rogos e altercações, senão regressarem à terra, com a velha amarrada, e mais séquito de festiva garotada, até ao Loreto, que em risos e chalaças, galhofavam com a grotesca e hilariante cena.

Mais tarde, parentes do jovem médico, diziam, entre si, e para quem os queria ouvir, com olhos de indignação cravados no céu:

_ “Parece impossível! Ter vergonha da tia!… Sangue do seu sangue!…”

E os aldeões, que os ouviam, repetiam, com cibinho de ira, sacudindo negativamente a cabeça:
– “Vão estudar para a cidade. Ficam ricos, e não querem saber dos pobres!… É para isso que uma mãe cria o filho!…”

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

*

JORNAL NOVA FRONTEIRA
Rua 19 de maio, 103 - Centro - BARREIRAS - BAHIA
Fone: (0xx77) 3611-8811 Email: comercial@jornalnovafronteira.com.br