Incêndio criminoso destrói pastagem e sistema de irrigação no Barreiras Norte
  • Compartilhe:

Um incêndio criminoso que teve início no fim da tarde de ontem, 08, destruiu aproximadamente dez hectares de pastagens e o sistema de irrigação da área de um lote empresarial no Distrito de Irrigação Barreiras Norte, em Barreiras, Oeste da Bahia.

incendio

Da redação JornalNF

Um incêndio criminoso que teve início no fim da tarde de ontem, 08, destruiu aproximadamente dez hectares de pastagens e o sistema de irrigação da área de um lote empresarial no Distrito de Irrigação Barreiras Norte, em Barreiras, Oeste da Bahia. O prejuízo só não foi maior porque agricultores vizinhos e o Corpo de Bombeiros conseguiram debelar as chamas, evitando que o fogo consumisse os 30 hectares do lote.

O incêndio começou na área de reserva florestal desmatada por invasores que retornaram ao local, mesmo depois da Codevasf ter conseguido a reintegração no local no final do ano passado. Poucos dias após a Justiça Federal ter concedido a reintegração dos lotes 95/AM e 95/BM e a reserva florestal do local, os mesmos invasores voltaram a ocupar a área e continuaram com a derrubada da mata. Em função do retorno dos invasores, o jurídico da Codevasf solicitou a Justiça Federal apoio policial para a retomada dos lotes,o que foi negado, sob a alegação de que a Codevasf não tinha como provar que eram os mesmos invasores que retornaram a ocupar a área e que seria necessário abrir novo processo de reintegração.

incendio1

O questionamento feito pelo proprietário do lote incendiado criminosamente é sobre quem vai arcar com os prejuízos. A Codevasf que demorou em agir assim que começaram as invasões em 2004, os invasores que derrubam sem cessar as matas das reservas florestais, a Justiça Federal pela negativa de retomada da área reintegrada, o Ibama/Inema/Semma que fazem olhos de mercador para as agressões contra o meio ambiente ou o empresário rural? A resposta tá na ponta da língua como já dizia Sandoval Quaresma, personagem da Escolinha do Professor Raimundo. A conta mais uma vez vai para o proprietário do lote.

Jornal Nova Fronteira