Carrapato de Cachorro

Publicada em 14/09/2020 às 16:44

Uma das doenças mais conhecidas que podem afetar os cachorros é a doença do carrapato. No entanto, essa popularidade traz vantagens e desvantagens. Se, por um lado, essa maior exposição faz com que os donos de cachorros estejam mais atentos aos sintomas da doença, por outro lado faz com que existam também muitas fatos tidos como verdadeiros que não passam de simples mitos urbanos.

Assim, se é o orgulhoso dono de um cachorro de estimação, é importante estar atento e saber o máximo possível sobre esta ameaça. É certo que existe cura para a doença do carrapato, mas em estados mais graves, esta ameaça pode mesmo levar à morte do animal. Por isso, é importante agir rapidamente, assim que detetado os primeiros sinais no seu cachorro.

Existem várias coisas a levar em consideração no que diz respeito a esta doença, não importa só saber como lidar com o carrapato cachorro. Por isso, para que possa estar preparado da melhor forma possível, compilamos nas linhas seguintes tudo aquilo que necessita saber sobre esta doença.

O QUE É?

Como o próprio nome indica, a doença do carrapato é provocada por esse parasita, comumente chamado de carrapato marrom, mas que tem como nome oficial Rhipicephalus sanguineus. Na verdade, este parasita pode transmitir duas doenças, que por terem sintomas muito semelhantes, acabam por ser muitas vezes confundidas.

Assim, a erliquose é provocada por uma bactéria, enquanto que a babesiose é provocada por um protozoário. Ambas são carregadas pelo tal carrapato e provocam a infeção a partir do sangue do cachorro. Como qualquer parasita, o carrapato sobrevive no pelo do animal, alimentando-se do seu sangue fresco. Ao transmitir esta bactéria ou este protozoário, o carrapato infeta o cachorro com uma doença que ataca as suas células de defesa e, consequentemente, os seus órgãos internos, nomeadamente os pulmões, os rins e o fígado.

QUAIS OS SINTOMAS?

Os sintomas mais comuns da doença do carrapato passam pela apatia e perda de energia. É por isso fundamental estar atento ao comportamento do seu animal de estimação. Sempre que ele adota um comportamento diferente do habitual deve dirigir-se imediatamente ao veterinário e procurar ajuda especializada.

Além disso, a doença do carrapato pode ainda provocar outros sintomas no animal. Em casos mais avançados, pode levar a manchas no corpo, sangramento nasal ou mesmo nas urinas e fezes e alguns hematomas. Além disso, a apatia e a falta de apetite podem degenerar noutros problemas, como a perda de peso ou a anorexia, por exemplo. Finalmente, mas não menos importante, são ainda raros sintomas como convulsões neurológicas ou febre elevada.

COMO PREVENIR?

Infelizmente, a ciência ainda não encontrou uma vacina para a doença do carrapato, o que significa que a melhor forma de a combater é a partir da prevenção. E isso inclui uma série de bons hábitos de higiene, que ajudam ainda a prevenir outras doenças. Tanto para o seu cachorro, como para si próprio e para a sua família.

Estas medidas podem parecer senso-comum, mas são estas, muitas vezes, as primeiras que deixamos passar ao lado. Por serem tão óbvias acabamos por não lhes dar, por vezes, a merecida importância. Por exemplo, a higienizarão dos locais onde o seu cachorro costuma passar mais tempo com produtos especiais anti-parasitas é uma delas. Essa higienização regular deve-se ainda estender aos seus brinquedos, cobertores e outros objetos com que costuma lidar.

O mesmo se passa no exterior. Se tem um gramado, onde o seu cachorro costuma andar, certifique-se de que o corta regularmente. Os carrapatos gostam de proliferar na grama alta e cortá-la rente de forma regular ajuda a prevenir o aparecimento destes parasitas. E, consequentemente, a impedir a doença do carrapato no seu animal.

COMO TRATAR?

A primeira coisa a fazer ao detetar sintomas da doença do carrapato no seu cachorro é leva-lo o mais rapidamente possível ao veterinário. Um diagnóstico precoce pode poupar muitas complicações e levar a uma cura rápida, sem sequelas nem sintomas crônicos.

O veterinário saberá como agir, de acordo com os sintomas apresentados pelo cachorro e a sua situação atual. Ele poderá solicitar os exames necessários, nomeadamente as análises ao sangue, que poderão diagnosticar corretamente a doença. Os antibióticos são o passo seguinte para combater o parasita e a bactéria ou o protozoário que estão provocando a enfermidade. Pode ser preciso o cachorro ficar internado alguns dias, mas na maioria das vezes basta fazer um acompanhamento cuidadoso e atento ao animal. Mantenha uma atitude positiva e lembre-se de que tudo vai ficar bem.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

JORNAL NOVA FRONTEIRA
Rua 19 de maio, 103 - Centro - BARREIRAS - BAHIA
Fone: (0xx77) 3611-8811 Email: comercial@jornalnovafronteira.com.br