Campanha ‘Ajude Vivi’, continua atraindo pessoas para o cadastro de doadores de medula

Publicada em 09/09/2015 às 15:17

vivi1

Eduardo Lena

Continua repercutindo em Barreiras e região a campanha ‘Ajude Vivi’, voltada a socorrer a pequena Vivian Cunha Iliopoulos, 2 anos, diagnosticada com Leucemia, durante uma visita que a família fez a familiares radicados em Brasília/DF. Filha de pai canadense e mãe brasileira, com avós maternos naturais de Riachão das Neves, Oeste da Bahia, Vivi, como é carinhosamente chamada pelos familiares, apesar da doença, é uma criança sorridente e conversadeira. Mas para continuar se desenvolvendo feliz e saudável, ela precisa de um transplante de medula óssea e como as chances de encontrar um doador compatível são pequenas — um em cada 100 mil —, parentes e amigos da família deram início a uma campanha para salvar a vida de Vivi.

A leucemia transformou a vida da família de Vivian. Eles moravam no Canadá e estavam de férias no Brasil quando os médicos diagnosticaram a doença. Ela começou o tratamento aqui e os pais decidiram ficar no Distrito Federal, onde vive a família de Fabiana Lima Cunha. Era outubro de 2013. Na época, Vivi estava pálida, febril, com a barriga inchada, tinha dificuldade para comer e diarreia. “Ela passou um ano e meio em tratamento. Manteve-se feliz na maioria dos dias. As poucas vezes em que ficou abatida, não sofreu com enjoos. Sempre se manteve forte”, conta Fabiana. A família chegou, inclusive, a achar que a criança estava curada, mas um exame detectou que a doença tinha voltado.
Preocupados com o retorno da doença, a família resolveu viajar até o Canadá onde está fazendo sessões de novo tipo de quimioterapia e também se preparando para um possível transplante, caso encontre um doador compatível.

vivi2

vivi3

Muitas pessoas já foram até o Hemoba do Hospital do Oeste, em Barreiras, e se cadastraram no banco de dados internacional de doadores de medula óssea. Afirmo que não doi nada, eu mesmo, minha esposa Leila Ribeiro e meu filho Marcus Vinícius nos cadastramos e hoje fazemos parte desse solidário banco de dados, basta apenas retirar 10 ml de sangue que será enviado para exames em Salvador.

vivi5

vivi6

vivi7

Ontem a tarde foi a vez de Simone Bomfim, Carla Cunha e voluntários da Guarda Municipal de Riachão das Neves, prestarem solidariedade a pequena Vivi. O mais importante é fazer parte deste banco de doadores, pois você poderá ser compatível com outra pessoa que esteja passando pelo mesmo problema. O fundamental é ser útil e fazer o bem, sem olhar pra quem.

vivi4

Segundo orientações do Inca, qualquer pessoa entre 18 e 55 anos está apta para ser doadora, desde que esteja saudável (não ter doença contagiosa ou incapacitante). Os interessados devem procurar o Hemocentro para doar. Em Barreiras, isso pode ser feito no Hemoba do Hospital do Oeste. Voluntários preenchem um cadastro e têm o sangue coletado para determinar características genéticas que sejam compatíveis com as do receptor. Esses dados são armazenados em um sistema informatizado que cruza os dados de voluntários e pacientes. Eu fiz a minha parte e você, está esperando o que? Quem sabe você não é o escolhido para salvar a vida de uma pessoa.

vivi9

Engajados na campanha, um grupo de abnegados empresários barreirenses estará promovendo no próximo dia 24 de setembro, no Lê Reve, um desfile beneficente, onde os valores arrecadados com a venda dos ingressos serão repassados para a família de Vivi, para ajudar nas altas despesas com medicamentos. “Além de angariar recursos, nosso objetivo é convencer as pessoas a participarem da campanha de doação da medula óssea”, disse Daniela Machado, uma das organizados.

Daniela também é doadora da campanha

Daniela também é doadora da campanha

1 Comentário

Deixe o seu comentário!

JORNAL NOVA FRONTEIRA
Rua 19 de maio, 103 - Centro - BARREIRAS - BAHIA
Fone: (0xx77) 3611-8811 Email: comercial@jornalnovafronteira.com.br