Sobre a Carta Aberta em torno do Coronavírus (Parte I)

Publicada em 23/09/2020 às 18:29

Ronaldo Ausone Lupinacci*

Vou reproduzir aqui alguns tópicos de importante documento relativo ao tema do título. Tratando-se de extenso texto com vinte páginas, só me foi possível transcrever aquilo que me pareceu mais relevante, embora tudo nele possa ser qualificado como muito relevante. Mesmo assim o texto ficou anormalmente longo, obrigando-me a dividi-lo em duas partes, pelo que publico hoje somente a primeira.

Por outro lado, procurei me ater o quando possível ao texto original, obtido através do tradutor automático do Google Chrome, de modo que algumas passagens podem refletir esquisitices diante de nosso linguajar comum.

O documento consiste em carta aberta de centenas de médicos e  profissionais de saúde da Bélgica às autoridades e à midia, que contestou, fundamentadamente, a enxurrada de notícias e medidas sanitárias em voga acerca da virose chinesa. Como não me consta que tenha sido publicado no Brasil – onde provavelmente sofrerá censura da mídia, conquanto tenha provocado impacto não só na Bélgica, mas em todo o mundo – decidi divulgá-lo para combater a danosa desinformação que campeia também em nosso ambiente. O referido documento foi transcrito no Instituto Americano de Pesquisa Econômica, conhecido pela sigla AIER[1], onde poderá ser consultado. Adianto que não inseri opiniões pessoais.

Os pontos mais significativos do documento são a seguir alinhados:

1.º) Após o pânico inicial em torno de covid-19, os fatos objetivos agora mostram um quadro completamente diferente – não há mais justificativa médica para qualquer política de emergência. A atual gestão de crises tornou-se totalmente desproporcional e causa mais danos do que benefícios.

2.º) A cura não deve ser pior que o problema’ é uma tese mais relevante do que nunca na situação atual. Notamos, no entanto, que os danos colaterais que agora estão sendo causados ​​à população terão um impacto maior a curto e longo prazo em todas as camadas da população do que o número de pessoas agora sendo protegidas do vírus.

3.º) A política introduziu medidas obrigatórias sem embasamento científico suficiente, direcionamento unilateral, e, não há espaço na mídia para um debate aberto em que diferentes visões e opiniões sejam ouvidas. Além disso, cada município e província (estado federado) passou a ter autorização para acrescentar medidas próprias, fundadas ou não.

4.º) As atuais medidas globais tomadas para combater a SARS-CoV-2 violam em grande medida a visão correta de saúde e de direitos humanos. As medidas incluem o uso obrigatório de máscara (também ao ar livre e durante as atividades desportivas, e em alguns locais mesmo quando não há outras pessoas nas proximidades), distanciamento físico, isolamento social, quarentena obrigatória para alguns grupos e medidas de higiene.

5.º) No início da pandemia, as medidas eram compreensíveis e amplamente apoiadas, mesmo que houvesse diferenças na implementação nos países ao nosso redor. A OMS previu originalmente uma pandemia que causaria 3,4% das vítimas, ou seja, milhões de mortes, e um vírus altamente contagioso para o qual nenhum tratamento ou vacina estava disponível. Isso colocaria uma pressão sem precedentes nas unidades de terapia intensiva (UTI) de nossos hospitais. Tal cenário levou a uma situação de alarme global, nunca vista na história da humanidade: “achatar a curva” foi representado por um bloqueio que desligou toda a sociedade e economia e colocou pessoas saudáveis ​​em quarentena. O distanciamento social tornou-se o novo normal na expectativa de uma vacina de resgate.

6.º) Gradualmente, a campainha de alarme soou de várias fontes: os fatos objetivos mostraram uma realidade completamente diferente. O curso de covid-19 seguiu o curso de uma onda normal de infecção semelhante a uma temporada de gripe. Como todos os anos, vemos uma mistura de vírus da gripe seguindo a curva: primeiro os rinovírus, depois os vírus influenza A e B, seguidos pelos coronavírus. Não há nada diferente do que normalmente vemos.

7.º) O uso do teste de PCR não específico, que produz muitos falsos positivos, mostrou um quadro exponencial. Este teste foi realizado rapidamente com um procedimento de emergência e nunca foi testado seriamente. O criador advertiu expressamente que este teste se destinava a investigação e não a diagnóstico. O teste de PCR funciona com ciclos de amplificação de material genético – um pedaço do genoma é amplificado a cada vez. Qualquer contaminação (por exemplo, outros vírus, fragmentos de genomas de vírus antigos) pode resultar em falsos positivos. O teste não mede quantos vírus estão presentes na amostra. Uma infecção viral real significa uma presença maciça de vírus, a chamada carga de vírus. Se o resultado de um teste for positivo, isso não significa que essa pessoa esteja clinicamente infectada, doente ou que vá ficar doente. O postulado de Koch não foi cumprido (“O agente puro encontrado em um paciente com queixas pode provocar as mesmas queixas em uma pessoa sadia”). Uma vez que um teste PCR positivo não indica automaticamente infecção ativa ou infecciosidade, isso não justifica as medidas sociais tomadas, que se baseiam apenas nesses testes.

8.º) Se compararmos as ondas de infecção em países com políticas rígidas de lockdown com países que não impuseram lockdowns (Suécia, Islândia …), vemos curvas semelhantes. Portanto, não há ligação entre o bloqueio imposto e o curso da infecção. O bloqueio não levou a uma taxa de mortalidade mais baixa. Se olharmos para a data de aplicação dos bloqueios impostos, vemos que os bloqueios foram definidos após o pico já ter passado e o número de casos diminuindo. A queda não foi conseqüência das medidas tomadas.

9.º) Como todos os anos, parece que as condições climáticas (clima, temperatura e umidade) e o aumento da imunidade têm maior probabilidade de reduzir a onda de infecção.

10.º) Por milhares de anos, o corpo humano foi exposto diariamente à umidade e gotículas contendo microorganismos infecciosos (vírus, bactérias e fungos). A penetração desses microrganismos é impedida por um avançado mecanismo de defesa – o sistema imunológico. Um forte sistema imunológico depende da exposição diária normal a essas influências microbianas. Medidas excessivamente higiênicas têm um efeito prejudicial em nossa imunidade. Somente pessoas com sistema imunológico fraco ou defeituoso devem ser protegidas por meio de higiene extensiva ou distanciamento social.

11.º) A gripe reaparecerá no outono (em combinação com covid-19, como o que agora está acontecendo na Europa) e uma possível diminuição na resiliência natural pode levar a mais baixas.

12.º) Nosso sistema imunológico consiste em duas partes: um sistema imunológico congênito não específico e um sistema imunológico adaptativo. O sistema imunológico inespecífico forma uma primeira barreira: pele, saliva, suco gástrico, muco intestinal, células ciliadas vibratórias, flora comensal … e impede a fixação de microorganismos ao tecido.

13.º) Se eles se ligam, os macrófagos podem fazer com que os microrganismos sejam encapsulados e destruídos. O sistema imune adaptativo consiste em imunidade mucosa (anticorpos IgA, produzidos principalmente por células do intestino e epitélio pulmonar), imunidade celular (ativação de células T), que pode ser gerada em contato com substâncias estranhas ou microorganismos, e imunidade humoral (IgM e anticorpos IgG produzidos pelas células B).

Os demais tópicos do documento serão relacionados no próximo artigo (parte II).
* O autor é advogado.

[1] https://www.aier.org/article/open-letter-from-medical-doctors-and-health-professionals-to-all-belgian-authorities-and-all-belgian-media/

 

1 Comentário

  1. Hermes Dagoberto disse:

    Gostei do assunto de sua publicação, gostaria de ver se é pertinente de divulgar em meu site que é:

    http://www.planosdesaudehdm.com.br

    Sds.
    Hermes Dagoberto

Deixe o seu comentário!

JORNAL NOVA FRONTEIRA
Rua 19 de maio, 103 - Centro - BARREIRAS - BAHIA
Fone: (0xx77) 3611-8811 Email: comercial@jornalnovafronteira.com.br