Abengoa já pediu proteção para negociar sua salvação

Publicada em 27/11/2015 às 10:44

abengoa

Fonte http://www.jornaldenegocios.pt

As ações da empresa espanhola subiram 15%, mas o ganho é insuficiente para compensar as perdas acima de 40% registradas nos dois dias anteriores. O pedido de proteção judicial já foi feito, seguem-se as negociações.

A Abengoa já entregou o pedido para ficar protegido de ações judiciais – o maior já feita na Espanha. A oficialização decorreu junto do tribunal do comércio de Sevilha, cidade onde está sediada, e o regulador espanhol foi também informado.

O pré-concurso voluntário de credores protege a empresa de energias renováveis, que tem um passivo superior a 20 mil milhões de euros, de potenciais de investidores que ponham em causa “bens e direitos que sejam necessários para a continuidade da atividade profissional”. Há agora um período para negociar com os seus credores a sua dívida e evitar, assim, a insolvência.

Entretanto, os detentores de obrigações (títulos de dívida) da Abengoa já reagiram: o El Confidencial escreve que foram contratados os serviços da empresa líder mundial nas operações de reestruturação, a Houlihan Lokey.

A apresentação do pedido foi feita depois de confirmado pela Abengoa que não chegou a acordo para a injecção de capital por parte da Gonvarri, na ordem dos 350 milhões de euros, que iria dar a esta última 28% do capital da energética e salvaguardar a situação da empresa. Não aconteceu e tem de haver, agora, uma negociação com os mais de 2.000 credores, entre os quais três bancos portugueses: Novo Banco, BPI e CGD têm, segundo o Expansión, uma exposição total de 75 milhões de euros.

Recuperação em bolsa

Entretanto, as ações da Abengoa voltaram a subir na bolsa depois dos tombos expressivos dados nos dois dias anteriores (40% ontem e 54% na quarta-feira). As ações ganham 15,87% para 29,2 cêntimos, ainda bastante distantes da casa de 1 euro em que negociavam há duas semanas.

Além de toda a situação de insolvência, a empresa está sendo castigada pelos cortes de classificação de risco por parte das três maiores agências de “rating” mundiais (S&P, Moody’s e Fitch) e pelo fato de já não pertencer ao principal índice da bolsa espanhola, o IBEX-35.

1 Comentário

  1. Rogerio disse:

    Parabéns !! Conseguiram !!!

Deixe o seu comentário!

JORNAL NOVA FRONTEIRA
Rua 19 de maio, 103 - Centro - BARREIRAS - BAHIA
Fone: (0xx77) 3611-8811 Email: comercial@jornalnovafronteira.com.br