LIBERDADE DE OPINIÃO

Publicada em 21/07/2015 às 08:07

humberto

HUMBERTO PINHO DA SILVA – Porto, Portugal

Perguntava-me amigo: – Para que serve a liberdade de expressão, se vivemos numa sociedade em que a maioria apenas repete – sem pensar, – o que escuta e vê?

Imitam o que se usa, o que está na moda. Repetem a opinião dominante. Compram o que a publicidade sugere. Viajam para os mesmos destinos e frequentam os mesmos lugares.

Poucos são capazes de raciocinar. De terem pareceres próprios, baseados na observação cuidadosa de factos e comportamentos.

Pretendem ser politicamente corretos, para não parecerem retrógrados ou ignorantes. Seguem o que o líder do partido ou presidente do clube, recomenda. Leem os livros que lhe dizem ser bons ou que todos compram. Veem os filmes que a crítica ou amigos recomendam.

São comandados pela pequena elite pensante. Elite que controla a mass-media e impõe suas ideias.

A Internet, com blogues, sites, redes sociais, onde se publica o que se quer, é boa tribuna para expor ideias, – ainda que, na maioria das vezes, sejam lidos apenas por amigos e conhecidos… por vezes nem isso.

Em regra – infelizmente, – o que se encontra em sites e blogues, são assuntos pessoais ou ecos surdos do que se diz…

A maioria é massa amorfa. Rebanho, manada, que não se dá ao trabalho de pensar; já não digo: refletir.

Escreveu Fulton Sheen: quando  encontram homem de cabeça entre mãos, a meditar, perguntam-lhe – se tem dores de cabeça.

Dizia-me então amigo – e com carradas de razão, – para que serve a liberdade, se apenas se repete, como papagaio palrador, o que se usa e o que está na moda. Amigo brasileiro, após haver lido e pesquisado episódios da História do seu País, disse-me desiludido:

“Como andava enganado com as arolas que me ensinaram na escola! …”

E como lhe dissesse que o mesmo acontecia em Portugal, acrescentou:

– “E eu que afirmava, a pés juntos, que os portugueses eram analfabetos, assim e assado… e afinal nem tudo era como nos contaram… Andávamos enganado!” ….

Os noticiários são ou podem ser manipulados: pelo governo, pelo capital, pelos partidos políticos, associações secretas… e até publicitários.

Certa vez “La Croix”, jornal católico, recomendou que as crianças, que iam fazer a comunhão solene, não deviam ir vestidas como se fossem para desfile de moda.

Foi o bastante para costureiros parisienses, retirarem a habitual publicidade, como represália… O jornal teve enorme prejuízo, por ter dado o conselho…

Que o digam responsáveis por gazetas locais, o que lhes custa publicar certas notícias e opiniões…Perdem, quantas vezes, subsídios, anunciantes, e até assinantes. Raras vezes lucram em serem independentes e verticais.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

JORNAL NOVA FRONTEIRA
Rua 19 de maio, 103 - Centro - BARREIRAS - BAHIA
Fone: (0xx77) 3611-8811 Email: comercial@jornalnovafronteira.com.br