Susana, Judith e a violência gender

Publicada em 29/11/2021 às 13:52

*Fabio Claudio Tropea

O 25 de novembro foi o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher. Também é verdade que todos os dias são celebrados, comemorados ou lembrados recorrências importantes e/ou espinhosos. Mas esse recordatório me parece particularmente significativo, porque apesar do suposto progresso da humanidade, quase todo dia os jornais nos contam histórias brutais e abjetas de violência de todo tipo contra as mulheres. Um fenômeno que, em vez de diminuir, parece ter crescido, certamente devido à falta de aceitação, por parte do homem, da maior liberdade das mulheres.

Ontem tive uma aula online com meus alunos de publicidade e marketing, e decidi dedicá-la a esse tema, A lição era sobre a importância do ponto de vista para os propósitos persuasivos da comunicação, e como tema de análise e exemplo usei dois episódios bíblicos e quatro pinturas renascentistas e barrocas. Inicialmente os surpreendi, mas no final teve elogios e aplausos.

No primeiro relato bíblico (livro de Daniel, Antigo Testamento), Susana, uma jovem muito bonita e piedosa é cobiçada por dois velhos que frequentam a casa de seu marido e conseguem invadir seu jardim surpreendendo-a enquanto ela toma banho. Eles haviam sido eleitos juízes pela comunidade judaica exilados na Babilônia e, inflamados de luxúria, ameaçam acusá-la de tê-la surpreendido com um jovem amante se ela não os satisfizesse. Este episódio tem sido narrado visualmente por muitos pintores italianos, franceses, flamengos e um longo etc. E o título atribuído a essas pinturas geralmente tem sido (o que já é significativo) o de “Susanna e os velhos babosos”.

Susana e os velhões, Tintoretto, 1585

Mas uma imagem, mesmo que a frase diga (superficialmente) que vale mais que mil palavras, não pode conta-lo tudo e, portanto, deve fazer escolhas para tornar a comunicação compreensível e eficaz. O pintor escolherá assim um momento da história, aquele considerado mais importante e dramático, aquele que melhor pode gerar os efeitos desejados (denúncia, horror, piedade…) . As três pinturas de Susanna escolhidas para o meu propósito educativo foram: uma de Tintoretto, uma de Guercino e outra de Artemisia Gentileschi, particularmente importante, tanto que adicionei à análise outra pintura da mesma autora, “Judith decapitando Holofernes”.

Guercino, 1620                                                                Gentileschi, 1610

Não vou tentar aqui, dado o espaço reduzido, refazer o caminho analítico da aula, mas apenas apresentar o ponto mais importante, o momento narrativo escolhido pelo autor. Tintoretto decide mostrar a cena inicial, a do banho no jardim da inconsciente Susanna, enquanto os dois idosos, escondidos atrás das plantas, a espionam. Guercino (como a maioria dos outros pintores deste episódio) já nos mostra a cena dos velhos atacando a menina que, no entanto, tem uma postura ambígua, entre defesa e resignação, inclusive sugerindo um sorriso amargo. Artemísia, ao contrário, toma o lado de Susanna e mostra seu horror, tentando com toda sua força recusar as intenções lubricas dos idosos. Durante a aula expliquei como os olhares, expressões, representações de corpos, mas também as luzes e cores, texturas, combinações cenográficas e arranjo dos elementos no espaço provocam reações no observador da pintura, dando-lhe instruções sobre como ela deve ser lida e interpretada. Ao final da aula, adicionei outra pintura de Gentileschi, dedicada a outro episódio bíblico: ”Judith decapitando Holofernes” (1614), que já havia sido abordada anteriormente por muitos outros artistas e especialmente por Caravaggio, em 1602. O episódio a que o quadro se refere é narrado no Livro de Judith: a heroína bíblica, juntamente com uma de suas assistentes, vai para o campo inimigo; aqui ela cerca e depois decapita Holofernes, o feroz general inimigo, colocando assim um fim a uma longa guerra entre a Síria e Israel. Por que esse final sangrento? O que isso tem a ver com ponto de vista e comunicação eficaz? Porque a análise e talvez apenas a visão dessa imagem impactante expressa claramente a raiva e determinação da protagonista da história mas também da autora do quadro . Seu desejo de vingança em relação à violência sexual – sofrida anos antes e nunca denunciada – executada por um poderoso amigo de seu pai que (dizem os historiadores) em vez de pagar pelo crime cometido fez uma campanha difamatória contra Artemisa Gentileschi. Daí a pontualidade da minha escolha, que também foi muito apreciada pelos estudantes, especialmente as mulheres presentes, algumas das quais conheciam a história bíblica, mas não a pintora. Se eu tivesse tido mais tempo, teria esboçado para eles uma comparação com o mesmo tema tratado por Caravaggio, mas os ritmos do online são apertados e rápidos, e 50 minutos hoje em dia já é uma eternidade para a maioria dos apressados e ansiosos alunos atuais. Será por outra vez.

Judith decapitando Holofrenes, Gentileschi ,1604

* Semiólogo, escritor, palestrante e analista das linguagens da comunicação, graduado em Sociologia e Jornalismo em Urbino (Itália) e doutor em Comunicação na Universidade Autónoma de Barcelona, Espanha. Contato: fabioclaudiotropea@g.mail.com

0 Comentários

Deixe o seu comentário!




Enter Captcha Here :

JORNAL NOVA FRONTEIRA
Rua 19 de maio, 103 - Centro - BARREIRAS - BAHIA
Fone: (0xx77) 3611-8811 Email: comercial@jornalnovafronteira.com.br