Helicoverpa volta a atacar as lavouras; produto biológico se destaca no controle da praga

Publicada em 03/11/2014 às 10:46

helicoverpa

Por Cártia Andreia Dörr | Foto Arquivo Odair de Aguiar

No oeste da Bahia e no Mato Grosso, a praga sequer esperou o bom estabelecimento das culturas e já tem atacado plantas recém-germinadas de soja irrigada, aumentando a preocupação dos agricultores, que reconhecem o potencial destrutivo da lagarta. “Até hoje eu não consigo mensurar as perdas com o ataque da helicoverpa armigera”, pontua o produtor rural do oeste da Bahia, Douglas Radoll, que ainda dribla com os prejuízos decorrentes da praga. Nos dois estados, medidas de controle já estão sendo utilizadas pelos produtores.

Desde a safra 2011/12, quando a praga começou a ser percebida com maior protagonismo na cultura do algodão, os prejuízos acumulados na região Oeste da Bahia ultrapassam a casa dos bilhões. As perdas são decorrentes tanto na redução da produção, uma vez que a Helicoverpa ataca as partes reprodutivas (flores e vagens nas culturas da soja e do feijão; flores e maçãs no algodoeiro e espigas no milho), quanto no custo operacional financeiro, com o uso mais intenso de inseticidas e máquinas.

PRODUTO BIOLÓGICO

O cenário que até então era aterrorizante, aliviou na safra passada com a chegada do Hz-NPV CCAB, um inseticida biológico a base do vírus, sendo o único no mercado a apresentar duas estipes distintas e altamente virulentas de baculovírus de helicoverpa. O produto, hoje, registrado emergencialmente no Brasil pelo Consórcio Cooperativo Agropecuário Brasileiro (CCAB) controla as lagartas da subfamília Heliothinae, que incluem a Helicoverpa spp. e a lagarta da maçã do algodão (Heliothis virescens).  Utilizado com sucesso desde o ano passado, o vírus é a melhor opção de controle, conforme atestam os produtores rurais. “Antes trabalhávamos dia e noite com o pulverizador e agora temos certa tranquilidade com as infestações de Helicoverpa”, comenta Rony Reimann, agricultor de Luís Eduardo Magalhães/BA, recordando-se dos tempos em que somente havia inseticidas químicos para o controle da Helicoverpa. Somente na última safra, mais de 700.000 hectares foram tratados com o Hz-NPV CCAB em todo o país.

O alto índice de eficiência associado a uma baixíssima toxicidade, tanto para o ambiente quanto para organismos não alvo vem se provando dia após dia no campo, como garante o agricultor, Odacil Ranzi, também do Oeste baiano. “Aplicamos o vírus na soja plantada em pivô nesta safra, após dois dias da aplicação já percebemos que as Helicoverpas  já haviam parado de comer e a partir do quarto dia começaram a morrer. O produto é fantástico”, comemora.

Segundo o produtor, Marconde Ferraz, os resultados em pivôs em V4 são de excelente eficiência já na primeira aplicação. “O Manejo proposto é utilizar o vírus no período vegetativo com aplicações noturnas, entrando com presença de lagartas pequenas até médias (monitoramento), e se necessário repetir a cada sete a oito dias. Com isso, mantém-se a população de inimigos naturais e a diminui a exposição das lagartas a diamidas”, explica Ferraz.

Para o engenheiro agrônomo, Celito Breda, consultor e produtor rural, atualmente, o controle biológico consolida-se como uma opção viável e eficiente para o combate às pragas da agricultura. “O vírus Hz-NPV CCAB tem se mostrado o carro chefe no resgate do controle biológico no Brasil, como ferramenta essencial, o produto vem sendo a locomotiva de todas as ferramentas biológicas do mercado brasileiro (que são poucas). Não há dúvidas quanto a sua eficácia”, atesta Breda.

Reconhecido internacionalmente, o Hz-NPV CCAB também apresenta resultados excepcionais em nível de campo e pesquisa em outras regiões produtoras do país. Em Campo Verde (MT) o agricultor, Alexandre Bottan vai para a segunda safra utilizando o vírus. “Testamos o produto na safra passada com ótimos resultados, este ano já começamos a nos deparar com o surgimento das primeiras lagartas aqui na região de Campo Verde  e o vírus (Hz-NPV CCAB) realmente tem se mostrado uma ferramenta de controle imprescindível neste início de ciclo! É sem dúvida a melhor ferramenta de controle da Helicoverpa”, destaca Bottan.

A eficiência do produto ainda anima os especialistas, que veem no produto uma ferramenta de Manejo de Resistência de Pragas. “Mesmo em lavouras Bt’s, principalmente no algodão Bt1, tem se mostrado necessário o seu uso, nestes casos podemos encarar o Hz-NPV CCAB tanto como ferramenta de controle efetivo como ferramenta de manejo da resistência das lagartas que eventualmente escapem da ação das proteínas Bt.”, explica Breda.

MANEJO

O Hz-NPV CCAB deve ser utilizado assim que for constatada a presença da praga na lavoura. A eficiência do produto não é reduzida pela baixa área foliar do início do cultivo. Quanto menor a lagarta no momento da aplicação, mais rápido e eficiente será a atuação do Hz-NPV CCAB, garantindo que essas lagartas produzam mais vírus, reinfestando a lavoura e inoculando o campo contra novas lagartas que venham a eclodir nos próximos dias, como atesta Douglas Radoll, que já tem experiência de mais de um ano de utilização do Hz-NPV CCAB: “uma vez constatada a praga o ideal é ir “vacinando” a lavoura”.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

JORNAL NOVA FRONTEIRA
Rua 19 de maio, 103 - Centro - BARREIRAS - BAHIA
Fone: (0xx77) 3611-8811 Email: comercial@jornalnovafronteira.com.br