Agricultura sustentável no oeste da Bahia é pauta no II Congresso Brasileiro de Direito e Sustentabilidade
  • Compartilhe:

Ascom Aiba

O agronegócio e as práticas sustentáveis adotadas na agricultura do oeste da Bahia foram destaque na primeira tarde de palestras do II Congresso Brasileiro de Direito e Sustentabilidade, realizado de quinta, 16, até sexta-feira, 17, em Salvador. Representando a Associação Baiana de Produtores de Algodão (Abapa) e a Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), Júlio Cézar Busato foi um dos palestrantes do terceiro painel do evento.

Busato compartilhou o palco com Carminha Missio, vice-presidente da Federação de Agricultura do Estado da Bahia (Faeb), e Gracinha Caiado, advogada e primeira-dama de Goiás, abordando o tema “Produção Sustentável: o caso do Oeste baiano”. A mediação foi realizada por Rodrigo Justus, consultor jurídico da Confederação Nacional da Agricultura (CNA).

Em sua apresentação, Busato destacou a evolução da agricultura no oeste baiano, ressaltando que as altas produtividades em soja e milho, assim como os resultados expressivos no algodão, são fruto do trabalho dos produtores, investimentos em pesquisa e tecnologia, e práticas sustentáveis como o plantio direto na palha, rotação de culturas e preservação dos recursos naturais. Na região Oeste, os produtores mantêm 35% das áreas de reserva legal, excedendo os 20% exigidos pelo Código Florestal Brasileiro.

“A grande maioria dos produtores tem buscado produzir e preservar, e estamos conseguindo ao longo do tempo. Nossa missão é deixar para nossos filhos uma terra melhor do que recebemos e ensiná-los a fazer o mesmo”, destacou Busato. Ele finalizou afirmando que “o oeste baiano possui um potencial inacreditável para o desenvolvimento da agropecuária e da agroindústria. Os projetos que realizamos visam à longevidade e sustentabilidade”.

O II Congresso Brasileiro de Direito e Sustentabilidade, coordenado pela advogada e empresária Isabela Suarez, vice-presidente de Sustentabilidade da ACB e presidente da Fundação Baía Viva, e pelo presidente do Ibrades, o advogado, professor e pós-doutor em Direito e Sustentabilidade Georges Humbert, reuniu especialistas para discutir e analisar a sustentabilidade à luz do Estado Democrático de Direito, com a participação de cientistas, agentes políticos, empresários e formadores de opinião de todo o país.

Jornal Nova Fronteira