Atenção árvores de rua, tremei!

Publicada em 19/02/2015 às 11:14

arvore

Vinícius Lena

Eis que, para nosso desespero e azar de nossas benquistas e benfazejas árvores de rua, surge em Barreiras uma equipe que podia muito bem ser denominada de “Os Exterminadores do Futuro”. Trata-se de um pelotão montado pela Prefeitura e por ela mantido, com a finalidade precípua de poda radical – e ou erradicação total de algumas de nossas amigas centenárias. Dispondo de todos os recursos da tecnologia predadora, tal equipe além de ser composta de vários operários muito bem treinados, traz consigo motosserras de alcance ilimitado, um caminhão dotado gruas hidráulicas com caçambas que se elevam até a altura de terceiro andar, além de foices, machados e facões de mato.

Esse é o arsenal desta equipe, que de repente chega à sua rua e sem perguntar a ninguém, sem estudo agronômico necessário para pelo menos orientar as podas, sem consultar os moradores e comerciantes, quando for o caso, sem aval ou estudo dos órgãos do Meio Ambiente (aliás, este serviço é perfeitamente omisso em Barreiras) e vão deitando a baixo as frondes dos oitizeiros de forma tão drástica como quem tosa cola de cavalo. Na semana que antecedeu o carnaval, foi a vez da Rua Profª Guiomar Porto, no trecho que vai da Catedral à Praça Castro Alves. Os comerciantes que têm ali seus estabelecimentos – e entre estes a banca de caldo de cana do Batista – que dispunham  de amplo sombreamento dos oitizeiros, que remontam ao prefeito Baltazarino Andrade, que os protegia da soalheiras das tardes, amargam agora apenas sombra diminuta,  proporcionada pelos penachos de galhas que restaram dos oitizeiros centenários.

Desta vez eles alegam que essas podas são necessárias para livrar do contato das galhas com a fiação elétrica. Concordamos e admitimos que tal contato provoca perda de energia elétrica, e que as linhas devam correr isoladas. Mas a pergunta que se faz é: Será mesmo necessário, para livrá-las, decepar as árvores a dois ou três metros abaixo das redes? Não bastariam, por exemplo, poda das galhas menores que tocam nos fios, abrindo túneis o entre a copada verde? Aí hão de argumentar: Mas daí o serviço tem que ser repetido todos os anos, ou com um de intervalo. Isso mesmo, retrucamos, pois quando pagamos nossos impostos, estes recursos têm a finalidade de dotar a Prefeitura de meios para proporcionar melhorias coletivas. E entre estas destacamos a conservação do sombreamento desta tórrida cidade, além de respeitar e conservar o meio ambiente. Coisas que esses Exterminadores do Futuro, pelo que estão praticando por aí nas ruas da cidade, não estão nem um pouco preocupados. Mesmo porque eles certamente recebem orientação da Secretaria Municipal do Meio Ambiente. Ou estaremos enganados?
Paralelo a este há outro problema mais grave ainda. É quando um empresário qualquer, sob a alegação fajuta de que a árvore está lhe atrapalhando o negócio – pois tira a visão da fachada de seu estabelecimento – se alia aos Exterminadores e juntos forjam um defeito agronômico da árvore e acertam a extirpação pura e simples da mesma. Como aconteceu a alguns meses atrás na Tv. 19 de Maio. E depois ainda vem a Prefeitura com uma retro escavadeira para arrancar de vez o tronco, sem ao menos se preocupar com o replantio de nova espécie.

Abrir um túnel na copa das árvores, embora trabalhoso, é um exemplo que precisa ser seguido em Barreiras. O mais fácil todos fazem, é preciso fazer o diferente. A natureza agradecerá e retribuirá com uma cidade mais humana

Abrir um túnel na copa das árvores, embora trabalhoso, é um exemplo que precisa ser seguido em Barreiras. O mais fácil todos fazem, é preciso fazer o diferente. A natureza agradecerá e retribuirá com uma cidade mais humana

Outros maus exemplos registramos na Rua Cel. Magno, no quarteirão fronteiro à Praça Castro Alves. Havia ali uma alameda de oitizeiros que em outros tempos protegiam os estabelecimentos da soalheira das tardes. Aos poucos alameda foi sumindo, e as poucas árvores que restaram sofrem poda radical todos os anos. Tudo para seguir a mesma orientação. Dar maior visão aos estabelecimentos. A falta de inteligência é tão gritante, que, depois disso, para se protegerem dos inclementes raios solares, fazem instalar uma vistosa tenda de lona plástica frente às lojas, escondendo, com isso, as fachadas e as vitrines dos estabelecimentos, que tanto eles queriam mostrar. Se os comerciante passaram a vender mais por causa disso não sei. Mas que passaram a gastar mais com o consumo de energia elétrica dos aparelhos de ar condicionado, aposto que sim. E que, com isso, agrediram o meio ambiente não resta a menor dúvida.

arvore1

arvore2

arvore4

arvore3

2 Comentários

  1. Teresinha disse:

    Alguém pode fazer alguma coisa pra barrar tais ações? Cadê os órgãos ambientais? Até quando vamos assistir imóveis as centenárias árvores indo ao chão?

  2. Franciella disse:

    Fico muito triste quando vejo que em meio à tantos apelos pela preservação do meio ambiente e a melhoria da qualidade de vida das pessoas. …muitas ainda não entendem que essa tão esperada qualidade de vida jamais se acontecerá sem a presença do meio ambiente…..árvores. … agua limpa….ar puro….uma coisa só acontecerá junto à outra…qualidade de vida e meio ambiente andam de mãos dadas e as autoridades precisam dar bons exemplos e serem os primeiros a lutar por isso e nunca o contrário. …espero que parem enquanto há tempo pois cem anos de história não se recuperam em seis….vamos pensar no futuro rápido. ..nossa cidade já é muito quente com elas. ..sem nossas árvores pode ficar insuportável. …

Deixe o seu comentário!

*

JORNAL NOVA FRONTEIRA
Rua 19 de maio, 103 - Centro - BARREIRAS - BAHIA
Fone: (0xx77) 3611-8811 Email: comercial@jornalnovafronteira.com.br